Chegar ou não chegar junto????

sábado, 13 de dezembro de 2008

Após um tempo longe do cartilha, a velha adrenalina está de volta.

Não sabia muito que falar, o que dizer aqui. Minhas inquietações passaram, minha indiferença para certas historias, chegaram. Então o que falar, quando a vida esta tão parada? Depois de muito pensar, cheguei a uma historia.

Alguns dias atrás enquanto voltava da faculdade com uma amiga minha, conversávamos sobre relacionamentos. Algo realmente inusitado para nós duas, já que, falamos até na morte do último papa do que sobre esse tipo de assunto. Enfim, lá pelas tantas ela me falou que assustava os homens, mas de um jeito diferente do meu.

Estávamos discutindo do tipo de homem que existe hoje em dia, homens que não fazem nada, mas que quando são colocados na prensa ficam com medo. Confesso que de minha parte ninguém nunca foi colocado na prensa, sou do tipo de deixa rolar. Nunca na minha vida você vão me ver correndo atrás de algum homem. Dou indiretas, deixou no subentendido, mas nunca chego falado na cara. Ela por sua vez, me contou que quando ela quer mesmo, ela vai a luta, se ela quer liga, ela liga, se ela quer convida para sair, ela convida. Porém, quando ela não quer mais ou simplesmente não quer, ela nem chega perto.

Comecei a reparar o quanto eu odeio alguém atrás de mim quando não estou afim, e como eu odeio quando alguém que eu estou afim não chega junto. Nisso vi o quanto eu sou culpada nessa história. Eu odeio joguinhos, mas eu jogo. Quantas vezes já conversei com um garoto sabendo que ele é afim de mim. E quantas vezes já fiz a egípcia e passei reto por um garoto que eu era super afim. Joguei muito e posso fala que jogo muito. Assim como já me deixaram puta da cara por esta perdida na historia, comecei a ver que também já deixei alguém assim.

Não que a partir de hoje eu vá começar a correr atrás, mas posso declarar que a partir de hoje eu não vou mais aceita pessoas conversando comigo, só porque estou com pena delas. Cansei de ter a testa roxa de “tijoladas” alheias só porque quero ser simpática e educada. Mas no fim das contas mesmo, contudo, percebi o quanto eu gosto de ter o controle. Não adianta, toda mulher adora que corra atrás, mas só curto mesmo isso quanto eu sei que não vou precisar dizer não depois. Não gosto de fazer os outros de otários, mas gosto daqueles que muitas vezes deixam a solução nas minhas mãos.Aqueles que mostram ou dizem que estão tão afim de mim, quanto eu dele, mas que se eu não for fala com ele, ele também não virá. Acho que assim me sinto segura ou pelo menos mais confortável.


Como diria meu ex: “Você é tão acostumada a sempre ter razão. Você é tão articulada, quando fala não pede atenção. O poder de dominar é tentador...” E por mais que isso seja verdade, não tão grosseiramente, mas sim é. Posso dizer que depois daquele papo, vi que se quero algo realmente serio, vou ter que começar a correr atrás e começar a parar de jogar.

5 comentários:

Raquel disse...

Joguinho é bom, né?
Deixa as coisas interessantes. Mas só é bom quando a outra pessoa também joga, e quando não acaba prejudicando as duas partes.

Senão, pode acabar assustando mesmo ou até espantando.

Também não gosto de correr atrás. Mas se não "corremos atrás", acabamos nos acostumando a não retribuir, muitas vezes o carinho que nos é dado. E se isso acontece... já era.

Acho que o negócio não é chegar junto ou passar reto, é dar um jeito de perceber qual dos dois vai funcionar, primeiro.

Thiago disse...

Esperar cansa e se jogar por vezes é arriscado!!! Aí a gente sempre têm que se arriscar!

Bom 2009 pra ti!

Raquel disse...

Tem meme pra ti lá no blog!

Andressa Xavier disse...

Odeio que joguem comigo, o que não quer dizer que não goste de jogar... hehe

Beijoos

Mary West disse...

Bem eu sempre quebro a cara por ser tão impulsiva. Chego junto sim, pq diabos tenho que ficar sentada esperando meudeols. Se eu tenho fome, eu como, se tenho sede, eu bebo e se quero um cara, eu vou lá!! Simples.